Diabéticos

Olá pessoal, o blog anda meio parado, porque estou sem muito tempo para escrever (e, francamente, sem muita inspiração), mas continuo por aqui, e de vez em quando vou arranjar alguma coisa pra postar.

Nos últimos anos tenho tido algum contato com pessoas da família sofrendo de diabetes e pensei em compartilhar aqui alguns erros básicos que vejo as pessoas cometerem ao lidar com a doença, por mais bem-intencionadas que sejam. Me parece que a gravidade desta doença ainda é muito subestimada pelos brasileiros, que acham que não precisam levar o tratamento muito a sério. Bom, vários fatores devem colaborar pra isso, como a dificuldade de se mudar drasticamente os hábitos ao ser diagnosticado, a falta de informação de qualidade sobre as causas e consequências da doença, e lentidão com que ela progride, acho que tudo isso contribui para que muita gente não dê a devida importância a essa ameaça.

Deixo aqui três pontos que observei nos casos que tive contato. Claro que cada caso é um caso, e os pontos abaixo podem ser bem menos comuns do que penso, mas acho que podem ser úteis para alguém.

  1. Esse biscoito não tem açúcar! Tem gente que acha que é só não comer nada que contenha açúcar nos ingredientes que está tudo bem. Ao perguntar para uma tia porque ela estava dando biscoito de água e sal para o meu tio diabético a resposta foi “o biscoito é salgado, não tem açúcar, então não tem problema”. O problema é todo tipo de alimento que eleva demais o nível de glicose no sangue. E não precisa ser feito com açúcar para isso. O nosso corpo transforma qualquer tipo de carboidrato ingerido em glicose, que vai para a corrente sanguínea, e fica lá, porque o diabético não produz insulina suficiente para retirar o excesso de glicose da circulação.  Deve-se evitar qualquer alimento com alta carga glicêmica (veja aqui uma lista). Nada de biscoitos, pães, bolos, massas, arroz, batatas ou outros vegetais ricos em amido, não importa se eles foram feitos com zero açúcar ou não!
  2. Mas esse é diet! Outro erro é confiar em tudo que vem com “diet” no rótulo. Durante uma visita a uma pessoa diabética em um clínica onde ela estava internada para se recuperar de algumas complicações trazidas pela doença, vejo a filha desta pessoa chegar com uma caixa de panetone em uma sacola. Incrédulo, observo ela entregar a caixa para a enfermeira, instruindo-a a dar uma fatia por dia para ele. Indagada sobre essa decisão, a filha explica: “o panetone é diet, então pode.” A embalagem ainda destacava: “Sem adição de açúcar”. Olhando as informações nutricionais na caixa e comparando-as com as de um panetone normal, você vê que na prática quase não há diferença. Nos dois casos, cada fatia de 80g contém cerca de 40g de carboidratos. No fim, vai dar no mesmo, porque o ingrediente mais problemático aqui é a farinha de trigo e não o açúcar.
  3. Um pouquinho só pra não passar vontade. É comum a gente ficar com dó do diabético (ou de si próprio, se você for um), e racionalizar uma desculpa qualquer para deixar ele (ou para se permitir) comer o que não deve. Coisas do tipo “é só hoje, pra não passar vontade” ou “só uma colherada não vai fazer mal”, ou ainda “ele não vai morrer só por causa disso”. Ele provavelmente não vai morrer mesmo, não na hora, pelo menos. A diabetes não tem pressa pra te matar, de “colherada em colherada”, ela vai se fortalecendo. O que você iria preferir, passar vontade de comer bolo com brigadeiros nas festas de aniversário dos parentes, de comer pastel toda semana na feira, ou mais tarde ficar com vontade de andar pela casa ou de simplesmente enxergar e não conseguir mais?

E você? Já presenciou alguma das situações acima? Tem alguma história pra contar? Deixe um comentário.

Esse post foi publicado em Saúde e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Diabéticos

  1. Caio Fleury disse:

    Esta é a triste realidade, a total ignorância da maioria das pessoas com relação a este assunto! Quero ver mais artigos! Abs

  2. Denise Rocha disse:

    Ah, mas essas confusões não são exclusividade de quem é ou convive com uma pessoa diabética. O que mais se vê é confusão, e os rótulos dos produtos não ajudam em nada; na verdade, eles são bem maliciosos mesmo, para confundir as pessoas, que não procuram se inteirar verdadeiramente a respeito do que estão ingerindo, e acabam fazendo besteira.
    Não sou diabética, mas faço restrição a refinados e sempre tentam me convencer que tal coisa x ou y “pode”. “mas esse pão é integral!” e aí eu tento mostrar que não é, pois é feito de farinha branca, sempre sou vista como chata, ahahahah!! e por aí vai. nem discuto mais.

    • oi amiga ja estamos juntas no facebook? Vamos ser chatas juntos? Uma chatinha incomoda muita gente duas incomodam muito mais…. se a gente nao incomoda nao muda nada,,,,,,,, guerra ao glutamato monossodico pata todos…..

  3. Paulo Neto disse:

    Concordo com vc. Há muita desinformação. Felizmente não sofro deste mal, mas minha avó materna sofria e, mediante observação correta dos cuidados necessários, viveu até os 93 anos, tendo falecido devido a outras causas que não a diabete, e sem nenhum dos problemas gerados por ela. Admito que cada pessoa é diferente, mas certamente, se se cuidarem devidamente terão uma boa expectativa de vida.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s